quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Árvore sem folhagem, ouve o meu pedido,
De longo restolho fendido,
Imploro a tua sinceridade...

Humilde,

rastejo,

Na sublime sinceridade,
De um sobrolho de um velho
Face à candida, cruel, verdade.

Peço
o Mar sem anéis da lástima dourada,
Peço
o Ângulo sem papéis, sem a púdica amizade

Peço
o Grânulo de mim em calmarias desperto

Quero o sonho de, por fim, ter Ângulo e ter Mar... e que não me cravem unhas no peito aberto.



(Boston, 2004)

7 comentários:

  1. eis uma prece para que o (a)mar seja doce abraçar e não salgado soluçar... que sejas feliz, Lago! sorriso de boa noite

    ResponderEliminar
  2. Nesta altura, em 2004, escrevia poemas algo tristes, mas ainda contemplativos. Tem sido muito bom partilhar aqui estes alguns dos outros, menos duros, mais ligeiros, ou mesmo alegres. Mas estou com cada vez mais vontade de seguir o teu repto e partilhar os mais recentes. Mas só o farei com uma condição (que se aplica a quem mais ler estas minhas palavras): que critiquem negativamente se não gostarem (eu quero mesmo saber a vossa opinião). Sorriso também para ti, (e para todos os que lerem).

    ResponderEliminar
  3. HOJE faço uma homenagem à minha sobrinha Tânia do Bookcrossing, falecida em Março passado:

    Minha querida, um “grande amigo” recente, também da blogosfera, mas já real, em Abril passado, já depois da tua partida para sempre da minha vida, fez o percurso “Caminhos de Santiago” ( conheceu-te através de mim, do meu sofrimento, da partilha de emoções) e, juntamente com os seus companheiros de caminhada rezaram por ti e fizeram uma oferta pela tua alma, deixando no local um símbolo e umas florzinhas do campo.
    LINDO, não é?
    Aqui estão duas imagens desse “momento”.
    Faço-te homenagem nos meus dois blogues, neste "teu dia".

    ResponderEliminar
  4. Lago, eu fico satisfeita por aceitares o repto e acredita que serei sincera na crítica ;) aguardo então para mt breve a tua poesia actual. semana feliz! luz e paz

    ResponderEliminar
  5. É claro que não foi por acaso!
    Passei a conhecer o poema através do Lago, e a sua publicação é uma "muda" homenagem aos poetas, Pessoa e Lago!
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  6. Não tão muda... segredada talvez... com discreta intensidade ... mas nada muda.

    ResponderEliminar